Biografia de Ao Cubo

Como o nome biografia já diz, bio (vida) – grafia (escrever), aqui será contada a história do grupo Ao Cubo no decorrer de sua vida. Consideramos essas próximas linhas como um documento raro e histórico, pela sua veracidade e por ter um ponto de vista dos próprios biografados.

O tempo passou muito rápido, várias coisas aconteceram, e muitas delas não tivemos tempo de colocá-las aqui...
Sabemos da importância de um site bem elaborado e atualizado, normalmente biografias e resumos de carreiras de artistas, contêm alguns erros e falsas informações que vão sendo tão repetidos, ouvidos, lidos e relidos, que se transformam em quase-verdades indiscutíveis. Esperamos que este espaço não contribua para isso e possa também servir como fonte de informações do nosso trabalho e dos nossos pensamentos.
O resto, o que esquecermos de colocar aqui, os jornalistas competentes e incansáveis podem sempre nos ajudar a recordar e divulgar. Sim, jornalistas e comunicadores em geral "competentes". Tem muitos adeptos do rap que acreditam que o rap nacional é contra esses profissionais e seus veículos de comunicação, talvez tenhamos nos confundido um pouco no meio do caminho, pelo menos o Ao Cubo apóia todo veículo de comunicação que trabalha sério, que procura base nas informações antes de repassá-las a grande massa. Acreditamos que o rap nacional é um movimento revolucionário e não qualquer música mercantilista por aí. Temos que vender CD´s e fazer shows, mas antes vem nossa ideologia e dignidade, não vamos nos prostituir e nem nos violentar para vender 100.000 CD´s.
Queremos sempre apresentar uma postura honesta e provar que dessa maneira, respeitando o espaço do próximo, qualquer pessoa pode se dar bem, entendendo que se dar bem é ser feliz, realizar seus sonhos e suprir todas as suas necessidades, é saber colocar seu coração em coisas importantes que preenchem a alma, muitos ricos de dinheiro são pobres de paz e vice-versa.



2003

Em janeiro de 2003, começamos a escrever músicas para compor um álbum ainda sem nome, coincidentemente o grupo também não era nomeado, tudo não passava de um papel em branco, acabávamos de voltar de férias, com a cabeça fresca e cheios de disposição. Começamos as atividades compondo músicas, tínhamos algum conhecimento teórico de grupo mas, pouca experiência efetiva, antes de 2003 fazíamos parte de um grupo onde não tínhamos espaço para as composições e produções, então não havia tanta responsabilidade. O Cleber terminava de retocar a música Plano do Aborto quando decidimos que o grupo iria se chamar Ao Cubo, a primeira impressão do nome não era boa, mas era tudo que representávamos. Em seguida eu (Feijão) terminei a minha 1ª música, a Ira dos 20, a partir daí, me senti mais seguro, não tão seguro quanto o Dj Fjay e o Cleber se sentiram, antes dessa música, eu não tinha escrito absolutamente nada, eles confiaram em mim, sabiam que eu tinha potencial mesmo sem mostrar serviço. Daí em diante marcamos estúdio, escolhemos o Estúdio Set, mais conhecido como estúdio do Pato, escolhemos por ter um preço acessível e uma ótima qualidade, o Dj Fjay pois em prática tudo aquilo que ele nunca havia feito sozinho, começou a produzir os instrumentais, estava tão entusiasmado que antes mesmo de terminarmos de compor, já marcava 6h de estúdio. No Pato mesmo nos encontramos com o Nuno Mendes, deixamos um material com ele e pedimos sua opinião, ele ouviu por uma semana e pediu autorização para colocar a música Naquela sala na rádio pra ter uma experiência.
Em julho de 2004 lançamos o 1º CD, Respire fundo, o grupo só tinha 1 ano e meio de existência, antes disso lembre-se, tudo era um papel em branco.
Entrou como umas das músicas mais pedidas da rádio 105FM, veja bem, todo mundo que tem boca fala mesmo, até hoje falam que foi o dedo do Nuno Mendez ou dão alguma outra explicação. Mas acreditamos em milagres.

2004

Após 2 meses, no dia 27 de setembro participamos da premiação do Hip Hop - Top-SP concorrendo em 4 categorias. Premiação é sempre uma coisa engraçada. Todos estão lá, bonitos, politicamente corretos, cheios de sorrisos. Lampejos de sinceridade e muita, mas muita gente só fazendo a social. Antes dessa noite, acho que nunca havíamos recebido tantos abraços falsos de uma vez, considerando o nosso surgimento de 2 meses, era compreensível o espírito de revolta que estava nos outros grupos, não foram 1 ou 2 prêmios, fomos premiados em 5 categorias concorrendo em somente 4 delas, mais um milagre. Depois dessa premiação, ficamos (mal e bem) falados, apesar de só chegar em nossos ouvidos as mal falas.
Após 2 meses, dia 11 de novembro fomos pro Rio de Janeiro concorrer a 3 categorias do  prêmio Hutúz-BR, fomos premiados em 1 uma delas. Eramos conhecidos a 4 meses e somente em SP. Essas indicações no Hutúz, serviu também para comprovar o merecimento dos prêmios do Hip-Hop Top-SP.
Em dezembro saímos com uma música no CD e DVD Espaço Rap, não fomos convidados para gravação, pedimos e imploramos para poder abrir o show, entendíamos a importância de um DVD nível Brasil para um grupo de 5 meses como o Ao Cubo, depois de gravado, o áudio ficou bom e o público estava muito caloroso, logo em seguida a produção do Espaço Rap veio pedir autorização para a inclusão de nossas imagens. Mais um milagre, nossa música foi usada para divulgar a venda do produto, então tocava de hora em hora na programação da rádio.


2005
Em 2005, começamos com muito trabalho, a agenda ficou cheia e as vendas de CD´s aumentaram 200%. Até julho, quando completou 1 ano de lançamento, havíamos contabilizado 13.000 cd´s vendidos. Com o sucesso do DVD Espaço Rap vimos a necessidade de gravar nosso DVD solo. Planejamos o orçamento, apresentamos para gravadora que não se entusiasmou por hora, mas acreditávamos muito num DVD solo, então começamos a fazer por conta. Marcamos ensaios com a banda, locação da casa, estrutura de som, equipe de filmagem, captação de áudio, iluminação, cenário, geradores de energia, figurino e então divulgamos a data de gravação. Quando tudo pronto, a gravadora nos propôs uma parceria e fechamos um acordo.
Passamos por diversas batalhas nesse DVD, foi como no começo, por pouco não desistimos. Mais um milagre está acontecendo, e esse é bem maior do que os anteriores, enfim o DVD está pronto, do jeito que queríamos, O DVD e CD Ao Vivo já pode ser encontrado nas lojas do país.

Agradecemos muito esses 2 anos de CD ao nosso Senhor, a nossa pequena equipe de trabalho, Priscila Rino, Bolinha, Alexandre, Sérgio Dutra e Cristiane e a todo público e mídia que apoiou.
Enfim o papel em branco agora é um livro cheio de cores vivas e histórias fascinantes.


2006
Em 30 de março de 2006, concorremos na categoria de Álbum Rap & Alternativos na premiação do Troféu Talento da Rede Record. Visitamos várias cidades do sul e do centro oeste com o show acústico e voltamos com os trabalhos nas unidades da FEBEM. 2006 foi marcado por participações em coletâneas. Colaboramos com as coletâneas Espaço Rap volume 10, Aperte o Play a Festa e do CD e DVD Festa Espaço Rap, gravado no ginásio do Palmeiras em São Paulo, nesse último, foi o maior show de rap da atualidade em território nacional, participamos com a música 1980. Antes das festividades de final de ano, decidimos que no ano seguinte começaríamos a produção do novo álbum ...e com isso as férias serão tensas pela tamanha responsabilidade que virá...


2007
Chegamos em 2007! Alcançamos a marca de 50 mil CD´s vendidos e 10 mil DVD´s do Álbum Respire Fundo Ao Vivo. Janeiro de 2007 foi como uma cópia fiel do mês de janeiro de 2003, a diferença é que o grupo já tem um nome e uma expressão no mercado, porque de outro modo, estamos com datas de estúdio agendadas e umas letras incompletas, como naquele ano. Antes de iniciar as discussões de temas, o Cleber me falou da música Choque, a qual dividimos a composição, nas férias o Fjay fez proeza, trouxe um arsenal de sampler para ouvirmos, daí começava a surgir o álbum Entre o desespero e a esperança. Aliás, esse nome foi batizado na metade de sua elaboração, a inspiração veio do livro Crônicas Urbanas indicado pelo Vitão, ah, Vitão é assistente social, educador, palestrante, pastor, líder da Jocum São Paulo e um grande amigo nosso. Enfim, finalizamos o disco em agosto com a música Fumaça, o álbum ficou mais maduro, na produção, escrita e levada, a Dona Kelly depois da gestação do Bruno, licença maternidade e tarefas de uma mãe dedicada, apareceu definitivamente no Ao Cubo, participou compondo, cantando e rimando.
Em meio a tudo isso, recebemos um convite muito especial da banda Templo Soul para participar da gravação do DVD com a música inédita Venha filho meu, não pudemos nos dedicar inteiramente nessa participação devido a finalização do nosso álbum, mas preparados ou não, no dia 01 de setembro, numa noite de festa com mais de 10 mil espectadores, dividimos o palco com Rogério Sarralheiro e sua banda de grandes músicos. Missão cumprida com a gravação, agora a meta era cumprir a agenda de shows e se apresar na mixagem, masterização, foto, capa e prensagem do disco, pra um previsto lançamento no dia 11 de setembro. Seria uma boa data porque faria uma alusão do nome do disco com o atentado de Nova York, Washington e Pennsylvania em 11 de setembro de 2001, era também a mesma data de uma importante feira musical em São Paulo e de vários lançamentos internacionais como 50 Cent e Kanye West. Infelizmente o CD não ficou pronto na data marcada e chegou às lojas no final de outubro. No dia 04 de novembro fomos pra premiação do Circo Hutúz no Rio de Janeiro rever velhos amigos e concorrer na categoria Site de grupo com o www.aocubo3.com.
2007 definitivamente foi um ano difícil pro rap e pra musica em geral, a pirataria e downloads gratuitos na internet destruíram a indústria, ainda pra piorar a situação do rap que já não ia tão bem, teve aquele incidente lamentável na praça da Sé em São Paulo, depois disso, parece que voltou a censura militar na cidade, em qualquer tentativa de manifestação do rap, a polícia impediu. Contudo, foi um ano importantíssimo pra gente, onde plantamos e agora vamos pras colheitas.


2008
Iniciamos o ano de 2008 com a música Cinderela sendo executada na radio 105 FM, a Mil desculpas bombando na Internet e em rádios pelo Brasil, 15 mil CD´s Entre o desespero e a esperança distribuídos e muitas críticas positivas. Estreamos o novo show em São Vicente-SP dia 27/01 na praia, a beira-mar, com um público de 15 mil pessoas, foi sensacional. Portanto continuamos acreditando em milagres.

Ao Cubo (Feijão)

Fonte: Site Oficial Ao Cubo

>